8 de fev de 2011

Carta Aberta às Mulheres

 Este post foi copiado de um comentário que deixei hoje em um grande blog que fala sobre BBB, o qual acompanhava há anos, mas que hoje estou me despedindo. Não citarei nomes, nem links, para não dar publicidade a esse respectivo blog, que sinceramente, hoje vi que não merece figurar entre os grandes.

" X, sempre gostei desse espaço por ver nele um mais do que uma simples arena para dissecar os participantes, mas também por permitir enxergar o ser humano dentro da casa.
Hoje, estou me despedindo daqui, pelo menos nesse BBB, não vou ser definitiva e dizer que nunca mais volto, pq a vida segue e tudo pode mudar.

Mas, a chamada desse post me ofende profundamente, não como telespectadora, mas como mulher. Independente de qualquer coisa, o que Diogo fez e falou ontem para Paula, ultrapassa qualquer outro barraco de jogo. Foi bulliyng - considerado crime no nosso código.

Foi um agressor que humilhou sua vitima de forma cruel e pior, ao perceber que sua vitima, pois foi isso que Paula foi, estava sozinha, dado que nenhum dos participantes saiu em sua defesa, fez o qua a maioria dos agressores verbais faz, também se aproveitou da fragilidade da sua  vitima para fins sexuais.

Sim, Paula permitiu. Será? Ou estava acuada demais dentro de uma casa onde ninguém parece aceitá-la e tratam todos, Diogo como seu Deus.

Peço que nunca você tenha que lidar com violência de nenhum tipo, principalmente aquela que te faz sentir vergonha de ser você mesma - como acontece nas agressões as mulheres, porque é duro, X. Poucas, muito poucas mesmo, vide as estátisticas conseguem dar um basta no seu opressor, a maioria, como Paula, continuam enredadas nas teias de sedução desse bárbaros.

BBB, é um jogo, mas antes de tudo, existem seres humanos ali, que sabe, mesmo na luta por 1,5 milhão, são frágeis e as vezes não sabem lidar com o acontecido.

Se UM, apenas UM dos participantes, tivesse apoiado a Paula nessa briga, ela não deitaria na mesma cama que o seu agressor. Mas, infelizmente, tanto lá, quanto cá, o julgamento pelo corpo que ela traz, pesa muito mais contra ela.

O pior da violência feminina é que primeiro nós temos que provar que somos as vítimas, enquanto as agressores só precisam dizer que nós somos putas!

11 comentários:

Dona Amélia disse...

Clap clap clap...
Não vejo o BBB11 com frequência, mas se é vc quem fala e ainda mais desse assunto, só posso apoiar ainda mais o tão bem tecido comentário e defesa!!

Te adoro, Mana!
Xêros
Paty

Big Vício BBB disse...

Concordo com tudo o que foi dito sobre o machismo e a violência contra a mulher e acho que Di-ogro merece um esporro do Bial daqueles de se enfiar na cama e nunca mais sair. É um péssimo exemplo o que ele fez e faz diariamente. Mas abraçar Paula é demais pra mim, porque acho que ela foi vítima sim, mas a considero tão insuportável que não me desperta compaixão. E não tem nada a ver com a gordura dela. Eu a vejo igualzinha a Ana Chatolina e a Fernanda do BBB10, com asco.

beijooo

pontorouge disse...

depois de ler seu post, fui buscar vídeos da briga na internet.
Não posso deixar de dar razão a você.
É uma questão que ultrapassa a empatia que um ou outro participante desperta no público. Gostar ou não da Paulinha é irrelevante diante da agressão que ela sofreu. E, ao Diogo, resta a pena.

beijo rouge

Dani

Mamis disse...

Patrícia querida, não existe blogs pequenos ou grandes, existem donas de blogs pequenas ou grandes!
O blog reflete o que a pessoa é, principalmente quando julga pessoas dentro de programa como o BBB, é por isso que na maioria das vezes eu brinco apenas com estas pessoas, jamais com a intenção de ofender. Brinquei com a Paulinha, chamei-a de tá com fome, mas eu também estou com fome, jamais fujo da minha realidade. Divirta-se no BBB se puder, se não puder é pq não vale a pena. beijos

Aline Monteiro disse...

Patrícia,

mais uma vez, post perfeito. Assino embaixo! E nem tem o que acrescentar.

Bjo!

LILIANE disse...

nem posso opinar sobre o bbb porque em casa tv num pega.rsrs
não assisto.
mas acho lamentavel que a tv brasileira precise deste tipo de entretenimento para garantir audiencia.
Papai do Céu, aonde vamos parar. Qualquer dia, vão matar a facadas neste bbb e todo mundo vai achar normal.
credo, ui, eu fico com medo dessas coisas (coisa de caipira que eu sou)
mas acho que violência não deve ser estimulada nunca.
mas o motivo forte que me trouxe aqui foi a gratidão por vc ter deixado tanto carinho la no blog por ocasião da morte da minha cunhada.
meu muito obrigada.
um dia de paz pra você, fica com Deus

Marilisa Peeters disse...

Nossa, que verdade...Muito fácil acusar uma mulher de 'puta' e deixar que ela trate de se defender depois, embora o estigma nunca mais perderá.
Coisas de tempos provincianos que nunca morrem.
Belo texto.
bj

Paola disse...

Patrícia,
Concordo com vc, fiquei chocada com os termos do discurso, pois o Di-ogro, não conversa, não discute, simplesmente fala, fala as maiores barbaridades e NINGUÉM reage, acham o cara engraçado!
Pelo "vai da valsa", me parece que ele é um grande concorrente ao prêmio.
Estou chocada, afinal ele fez mais, além de ter atacado a Paula, por suas características físicas, e já está pondo a linguona de fora para falar e difamar a MAria.
Engraçado como é moralista esse Diogo, não é? TAmbém não respeitou a vontade da Michely, que precisou dizer que o pai estava vendo, pois ele foi com tudo.
Pena que ainda vivemos no tempo das cavernas e isso é tido como "coisa de homem", muita gente gosta.
Estou em campanha, para mim o próximo a sair é o Diogo!
Bj
PAola

Cintia Branco disse...

Patrícia,

Independente do ocorrido, que não tenho conhecimento por pura convicção, seu texto esta perfeito e sintetiza a situação da vítima de violência, o último parágrafo é a mais pura realidade.
Beijos

Giuliana: disse...

Paty,

Assino embaixo, simples assim! =]

Beijos

Bia das Letras. Mestranda de Literatura Portuguesa na UFF em 2011. disse...

Oi, Flor. Não assisto BBB, nunca consegui assistir nenhum. NO entanto, agressão verbal e intimidação, principalmente atacando a auto-estima, infelizmente, é coisa que eu conheço bem... E concordo com você: sair desse ciclo de violência sem ajuda é quase impossível.
O lamentável é isso acontecer num espaço com tanta audiência, mas ... isso é outro assunto.